PORTAL UTP

Seja amigo da sua voz: 10 dicas para manter a saúde vocal

No dia 16 de abril, comemora-se o “Dia Mundial da Voz”, uma data pensada para celebrar e relembrar a importância da voz e de mantê-la saudável. Ao lançar a campanha “Minha voz, Minha identidade”, o Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia explica: “A voz é tão individual quanto a impressão digital, ela tem relação direta com idade, sexo, personalidade, emoção e profissão. Por isso, é preciso cuidar da voz durante todas as fases da vida. Sintomas como rouquidão, pigarro constante, voz fraca, falhas ou cansaço ao falar merecem atenção. Diante de qualquer um deles, consulte um fonoaudiólogo e um otorrinolaringologista.”

Para contribuir com essa celebração, a professora e coordenadora do Mestrado e Doutorado em Distúrbios da Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná, Rosane Sampaio, deu 10 dicas preciosas para tratar a voz com carinho e evitar problemas para ela.

1. Água e maça

“Tomar 2 litros de água diariamente para evitar a desidratação e comer maçã para “limpar” o trato vocal. Hidratar-se é essencial para que as pregas vocais vibrem com menos esforço e a voz seja produzida em melhores condições. Quando estamos desidratados temos mais dificuldades para manter o controle da voz e geralmente fazemos maior esforço e produzimos um som pior.”

2.Você é o que você come

“Melhore suas condições físicas, respeite seus horários de alimentação e descanso e veja se há possibilidades de introduzir melhorias em seu ambiente físico de trabalho.”

3.Não grite

“Não gritar ou cochichar, manter a intensidade normal da voz e articular bem. O estresse consome as energias e pode exaurir a voz. Uma voz tensa pode ser menos resistente quando se tem que falar por muito tempo. Desenvolva uma escuta diferenciada, prestando atenção em sua voz e na voz dos outros”

4.Evite receitas caseiras

“Não há receitas milagrosas, embora o mel possa ajudar como lubrificante e o própolis como antiinflamatório. A relação com a voz é indireta, pois somente o ar passa pela laringe. Balas e pastilhas podem oferecer um alívio muscular, pois exercitam os músculos da boca e podem aliviar a sensação de esforço, mas são apenas paliativos. Quando são muito fortes ou contém substâncias ditas refrescantes, podem prejudicar o controle da voz.”

5.Evite álcool e o cigarro

“Evitar bebidas alcoólicas. Não fumar ou usar drogas ilícitas”

6.Não cante ou fale em público sem as técnicas corretas

“Aquecer a voz antes de usá-la por muito tempo profissionalmente. Desenvolva uma escuta diferenciada, prestando atenção em sua voz e na voz dos outros”

7.Mantenha uma postura correta

“Podemos dizer que todo o corpo contribui na produção da voz. Se o corpo está tenso, há grande chance da voz também ficar mais tensa. Por outro lado, movimentos e gestos mais soltos ou livres favorecem uma boa voz.

8.Não pigarreie

“Ao invés de tossir (tosse seca) e pigarrear, produza saliva e engula como se fosse engolir algum alimento. Tossir e pigarrear constantemente machuca as pregas vocais, porque ao pigarrear você causa um forte atrito entre as pregas vocais, o que pode favorecer o aparecimento de lesões nos tecidos da laringe. Se sentir que está com muita secreção (catarro ou muco), procure engoli-la ou pigarreie suavemente. Manter o corpo hidratado ajuda a diluir as secreções viscosas.”

9.Aqueça a voz, sempre, pelo menos durante cinco minutos

“Cinco minutos de aquecimento vocal enquanto você se dirige para a sua escola, pode fazer uma grande diferença!”

10.A voz é o resultado de uma somatória de aspectos

“Tensões psicológicas ou físicas são facilmente transferidas aos músculos responsáveis pela produção da voz, o que é muitas vezes percebido pelo ouvinte. Se a situação de trabalho for muito tensa, você pode aprender a controlar o impacto do estresse e da tensão na voz, o que exige treinamento. Uma voz tensa geralmente soa mais aguda (fina), podendo ser considerada desagradável e dar a impressão de que se trata de uma pessoa nervosa ou ríspida.”

Vale lembrar

A professora explica que ao longo da vida, desenvolvemos uma voz que tem como base fatores orgânicos (menos flexíveis) associados a fatores emocionais, culturais e profissionais (bastante variáveis). “Usamos diversos tipos de voz de acordo com o interlocutor, a situação e o ambiente de comunicação. Podemos aprender a variar a voz de modo mais consciente e adequado às necessidades a que somos submetidos. Se você não gosta de sua voz por algum motivo estético, por considerá-la muito nasal, monótona, grossa ou fina, forte ou fraca demais, procure um especialista para analisar as possibilidades de modificar os ajustes envolvidos em seu padrão de voz. Todos podem melhorar a voz”, conta.

Ela finaliza dando a dica mais importante de todas. “Não hesite em procurar um profissional quando tiver rouquidão, dor, ardor, sensação de corpo estranho, pigarro, tosse improdutiva por mais de 14 dias ou perda de voz sem quadro gripal associado. A sua voz pode estar em jogo. E mesmo você não sentindo nenhum desses sintomas e sendo um profissional da voz, também é recomendável procurar um fonoaudiólogo, que irá lhe orientar sobre esses cuidados e avaliar o seu caso para um atendimento especifico e eficaz.”