PORTAL UTP

Câmpus Barigui livre da dengue: projeto desenvolvido na Agronomia faz monitoramento de larvas

Os alunos do curso de Agronomia da Universidade Tuiuti do Paraná transformaram o dever de cidadãos em trabalho científico. Na disciplina de Entomologia Agrícola, eles fizeram o monitoramento semanal de larvas de A. aegypti em alguns pontos, no campus Barigui.

“O monitoramento feito pelos alunos no Projeto Dengue tem como principal objetivo a identificação e eliminação de focos do Aedes. Além do trabalho de coleta, é bastante frisado o cuidado necessário de cada cidadão quanto à prevenção. Após a identificação, automaticamente o foco é eliminado para que não haja reprodução”, explica a professora responsável Carla Pedroso.

Os estudantes mapearam e sinalizaram os pontos mais críticos com bandeirinhas para a coleta semanal de água. Esse mapeamento serviu de base para o planejamento e execução das etapas seguintes do projeto, tais como área mais crítica e aquelas que não oferecem riscos para a proliferação de larvas. Durante a inspeção, quando encontradas larvas do mosquito, elas foram acondicionadas em potes de polietileno e inspecionadas pelos alunos a fim de aguardar a emergência do adulto e identificá-lo.

Paralelamente às inspeções no campus, os alunos também realizaram as orientações educativas à comunidade acadêmica e do entorno, ressaltando a importância de todos estarem inseridos no projeto. “Pneus velhos que acumulam água são o principal foco”, comenta a professora.

Atualmente, os mosquitos do gênero Aedes assumiram importância mundial. A falta de cuidado da população com vasilhames que acumulam água nas residências, além de lixo em áreas públicas têm propiciado o aumento do mosquito. Os maiores índices de infestação são registrados em bairros com alta população e baixa vegetação, o que ressalta a importância de projetos como esse.

#CombateAedes

O Ministério da saúde convoca a população brasileira a continuar, de forma permanente, com a mobilização nacional pelo combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, doenças que podem gerar outras enfermidades, como microcefalia e Guillain-Barré, o Aedes Aegypti.

O período do verão é o mais propício à proliferação do mosquito, por causa das chuvas, e consequentemente é a época de maior risco de infecção por essas doenças. No entanto, a recomendação é não descuidar nenhum dia do ano e manter todas as posturas possíveis em ação para prevenir focos em qualquer época do ano.

0 Comentários

Sem comentários

Post a comment